segunda-feira, 8 de outubro de 2018

CinePET Not Alone #setembroamarelo

Nesta quarta-feira (26/09), ocorreu mais um CinePET, com o tema Setembro Amarelo. “Not Alone” nos apresentou Jacqueline, uma jovem de 18 anos tentando entender o suicídio de sua melhor amiga que conversa com adolescentes atormentados por problemas mentais e pensamentos suicidas.
Após o documentário foram apresentados dados estatísticos de depressão, ansiedade e suicídio, e então ocorreu uma discussão em torno do tema. Foram abordados também a influência da universidade na saúde mental da comunidade acadêmica, como a pressão da sociedade nos deixa doentes e o que podemos fazer para ajudar pessoas que sofrem com isso.
Segundo a OMS, só em 2015, quase 800 mil pessoas cometeram suicídio, o que o coloca entre as 20 principais causas de morte. A depressão afeta mais de 322 milhões de pessoas, sendo que apenas a metade procura por atendimento médico, fazendo com que a doença se torne a segunda maior preocupação em termos de saúde pública no planeta.
Não podemos fechar os olhos para isso, o suicídio é uma realidade e deve deixar de ser tratado como tabu. O preconceito existe, e por isso devemos falar abertamente, para que todos possam entender, seja quem precise de ajuda, seja quem precisa ajudar, depressão é uma doença como todas as outras e merece receber a mesma atenção.
#setembroamarelo #precisamosfalarsobresuicidio

terça-feira, 11 de setembro de 2018

CINEPET: Nação Digital


No dia 29 de agosto o documentário assistido pelos discentes da Universidade Federal do Pampa - campus São Gabriel (Figura 1) trouxe uma temática cada vez mais presente em nossas vidas. Onde a internet aproxima mais os que estão longo, e distancia os que estão perto. Antes da invenção da escrita era necessário memorizar toda a informação, após a escrita era possível procurar o conhecimento nos livros, com isso a necessidade de memorizar foi diminuindo. Mas em uma “nação digital” onde temos acesso rápido a qualquer informação em um click? Cada vez mais “absorvemos” menos informação do que estamos lendo ou vendo, a rotina cada vez é mais intensa faz com que leiamos informações curtas, resenhas em vez de livros ou filmes. O que pode estar influenciando nossa escrita, muitas vezes realizada em pequenos parágrafos os quais temos dificuldade de juntar.  E também na tentativa de suprir tamanha demanda realizamos muitas tarefas ao mesmo tempo. Será que realmente somos tão eficientes sendo multitarefas ou será que estamos condicionando nosso cérebro a não se concentrar em uma atividade? Será que não estamos criando um problema? A internet não é boa nem ruim a questão é encontrarmos o equilíbrio.
Figura 1: Discentes da Universidade Federal do Pampa assistindo aos documentário "Nação Digital".



sexta-feira, 20 de abril de 2018

XII CALOURADA SOLIDÁRIA 2018


O Grupo PET realizou nos dias 05 a 07 de abril a 12ª edição da Calourada Solidária da Unipampa campus São Gabriel. Este é um evento solidário que encerra as atividades da Semana de Acolhimento aos calouros da Universidade, com o objetivo de integrar e socializar os mesmos, visando estimular, nesses acadêmicos, valores como cidadania, altruísmo e trabalho em equipe.
No primeiro dia foram realizadas visitas das equipes dos cursos de Biologia, Biotecnologia e Gestão Ambiental às instituições carentes do município, como os asilos Manuel Viana e São João e a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE).
No segundo dia do evento, as equipes tiveram o dia dedicado à arrecadação de donativos (alimentos, materiais de higiene e limpeza, ração e produtos veterinários), que foram doados posteriormente.
Já no sábado, dia 7 de abril, pela manhã ocorreu a “Caça ao Tesouro”, visando apresentar aos calouros locais ecológicos, culturais ou de utilidade pública. Lugares como a Sanga da Bica, Prefeitura Municipal, Correios, Coleurbanos, Igreja do Galo foram escolhidos para serem visitados. As tarefas consistiam em realizar atividades designadas pela equipe organizadora (PET), como recolher lixo, bitucas de cigarro, desvendar enigmas e quebra-cabeças, recebendo, por fim, dicas sobre a próxima localidade visitada.
Na tarde do mesmo dia, foi realizada a Corrida à Fantasia na Praça Dr. Fernando Abbott, contando com calouros fantasiados e carrinhos confeccionados por eles mesmos. Fantasias como Fred e Velma dos Flintstone feita pelo curso da Biologia e Ciclope (X-men) pelo curso da Gestão Ambiental foram apresentadas. A grande vencedora da Calourada Solidária foi a Gestão Ambiental, em segundo lugar a Biologia seguida da Biotecnologia. O primeiro lugar recebeu como prêmio um mês gratuito de aulas de inglês na Wizard e o segundo lugar uma cesta de brindes da mesma escola de inglês, que patrocinou a Calourada Solidária.
Os donativos, exceto fralda infantil e produtos veterinários (medicamentos e ração), foram doados ao Asilo/Abrigo Espírita Manuel Viana, na tarde de sábado às 16h, juntamente com a equipe vencedora da Tarefa.
Quanto às fraldas infantis, foram doadas à uma família carente e os produtos veterinários, foram destinados ao campus da Unipampa, para uso dos cães residentes da Universidade.
Confiram abaixo registros desses momentos !!

Figura 1: Atividade “Caça ao Tesouro” – Tirar uma foto da equipe abraçados em uma árvore (Biotecnologia, Biologia e Gestão ambiental)

                  Figura 2: Baile realizado pelos calouros da Gestão Ambiental no Asilo Manuel Viana

Figura 3: “Momento da Beleza” – Calouras pintam as unhas das senhoras do Asilo 


Figura 4: Calouro do Curso Gestão Ambiental, toca para a senhora residente do Asilo

Figura 5: Atividades realizadas pelos calouros  da Biologia na APAE (Brincadeiras, jogos e Karaokê)

                            Figura 6: Entrega dos Donativos ao Asilo/Abrigo Espírita Manuel Viana

Figura 7: Ciclope do EX-men se prepara para a corrida no carro do Batman 

Figura 8: Ciclope e seu comparsa chegam em Primeiro Lugar 

Figura 9: Equipe da Biologia – Representação do casal Fred e Vilma dos Flintstone

Figura 10: Equipe Vencedora da XII Calourada Solidária – Gestão Ambiental


O Grupo PET Biologia agradece à todos pela participação, principalmente na arrecadação dos donativos (mais de 130Kg de alimentos arrecadados), que é um dos principais objetivos desta Calourada Solidária, juntamente com os momentos que cada equipe proporcionou nas instituições carentes!

“O valor da coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que elas acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis”.
Fernando Pessoa

quinta-feira, 12 de abril de 2018


1º AcampaPampa Bio


No dia 22 de março de 2018, quinta-feira, ocorreu no campus São Gabriel da UNIPAMPA o primeiro Acampapampa Bio, realizado pelo grupo PET Biologia com intuito de dar as boas-vindas aos ingressantes dos cursos de Ciências Biológicas (Figura 1).



Figura 1. Organizadores e participantes do 1º Acampapampa Bio reunidos.

Os calouros da Biologia foram convidados a participar de uma série de atividades com objetivo integrador, alguns veteranos e professores também participaram da brincadeira a fim de auxiliar os novatos.
A gincana se constituiu em várias brincadeiras, como a caça aos professores, em que os alunos tiveram que procurar alguns professores previamente escondidos pelo campus, então realizar uma pequena tarefa e posteriormente decifrar alguns enigmas criados pelos próprios professores (Figura 2).


Figura 2. Professor Fabiano Torres escondido.


Após esta atividade, os professores participaram de uma corrida de saco e do ovo na colher, em que a ordem de chegada definiu a ordem de escolha das equipes de alunos (Figura 3).

Figura 3. Professores durante a corrida de saco.

As equipes foram formadas por alunos calouros, veteranos e professores (Figuras 4, 5, 6, e 7). 


Figura 4. Equipe do Professor Angelo, equipe roxa.


Figura 5. Equipe do professor Carlos Benhur, equipe laranja.


Figura 6. Equipe dos professores Felipe e Alice, equipe verde.


Figura 7. Equipe do professor Fabiano, equipe amarela.

A próxima atividade consistiu-se em uma caça à bandeira, a qual cada equipe teve que roubar a bandeira do campo adversário sem serem tocados por integrantes do outro time (Figura 8).

Figura 8. Caça à bandeira.

Em seguida as equipes participaram da atividade “caixa de pandora”, onde um integrante de cada equipe teve 1 minuto para colocar a mão dentro de cada caixa e tentar descobrir o que havia dentro dela apenas pelo tato.
Depois disso todos se reuniram para um churrasco ao ar livre e um pequeno campeonato de ping-pong. As atividades continuaram com a presença do técnico e músico Rafael Matielo, que animou a galera com boa música. Nesta tarefa, os participantes cantavam uma música que deveria conter uma palavra previamente sorteada.
A última brincadeira foi “se correr o bicho pega”, uma simulação do comportamento reprodutivo e da interação presa-predador, observados em anfíbios. A equipe amarela, do Professor Fabiano Torres, foi a equipe vencedora da gincana.
Para finalizar o primeiro Acampapampa, todos se reuniram para assistir um filme ao ar livre e aproveitar o restante da noite para descansar. As barracas e sacos de dormir foram emprestados pelo 6º BE. O primeiro Acampapampa foi um sucesso e todos se divertiram muito (Figura 9). Que venham os próximos!

Figura 9. Foto de pessoas felizes no Acampapampa.

PET Biologia agradece a participação de todos!!

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

BIOFÓRUM : Medicalização dos Alimentos : Produtos apícolas como alternativa natural

Mais um Biofórum organizado pelo grupo PET biologia da Universidade Federal do Pampa, realizado no dia 18 de outubro de 2017 abordou como tema: “Medicalização dos alimentos: Produtos apícolas como alternativa natural” , ministrado pelo professor e doutor Andrés Delgado Cañedo, que possui experiência na área de Genética, com ênfase em expressão gênica e biologia celular. A palestra começou com algumas questões, segue abaixo uma breve descrição do que foi abordado.

O que é a medicalização dos alimentos? Talvez devêssemos olhar para os alimentos não pelo gosto, mas sim pelas substâncias das quais eles são compostos, como as fibras, os carboidratos e as vitaminas. Mas também, toda essa ação de olhar e consumir os alimentos como se fossem remédios, acaba tirando todo o prazer do ato de comer. Sendo necessário então ter um certo equilíbrio dessas duas partes.
Comer é remédio ?
Temos como exemplo de um alimento que passou a ser remédio, a semente de Chia, que agora é consumida, em sua grande maioria, em cápsulas!
E existem ainda, diversas pesquisas na área acadêmica que defendem e corroboram esse estilo de alimentação mais saudável, que não exclui os alimentos da rotina sem que seja extremamente necessário, como é o caso das restrições alimentares, para os diabéticos por exemplo, não tem como não medicalizar o alimento.
Somos contra ou a favor da medicalização dos alimentos ? Tudo irá depender do conhecimento das pessoas, pois embora a maioria é contra ver os alimentos como medicamento, a maior parte do tempo, nós consumimos alimentos “medicados”, com conservantes e entre outras substâncias sintéticas.
O produto que consumimos atualmente, já não é mais original, sempre terá acoplado a ele, mais alguns compostos para o aumento da durabilidade desse alimento.
Mas...quais conservantes consumimos ?
Um dos maiores exemplos, são os sulfitos, que são muito utilizados para a preservação do alimento, mas eles também retiram as qualidades nutricionais daquele alimento em questão. Esses sulfitos destroem a vitamina B1 e a tiamina, presente em produtos lácteos, carnes e cereais. Então, nesse ponto de vista, a medicalização do alimento, já não é mais positiva para a saúde humana.
Porém, uma das alternativas para todos esses problemas, está na apicultura, isso mesmo! Na apicultura. Já ouviu a frase “Sem abelha, sem alimento”? Você sabia que os serviços de polinização desses seres representam mais de 10% do valor da produção agrícola mundial ?!
Sem as abelhas, tanto a renovação das matas e florestas, como a produção mundial de frutas e grãos ficariam comprometidas. O equilíbrio dos ecossistemas e da biodiversidade sofreria um sério impacto, o que afetaria diretamente o ser humano de diversas maneiras.
O físico alemão Albert Einstein, exercitou o pensamento de como seria um mundo sem abelhas, e sintetizou um pensamento que se mostra um dos mais sábios:
“Se as abelhas desaparecerem da face da Terra, a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência. Sem abelhas não há polinização, não há reprodução da flora, sem flora não há animais, sem animais, não haverá raça humana.” Albert Einstein (1879/1955) .
A Própolis é um elemento produzido pelas abelhas, formados através do pólen que há nas flores e juntamente com a saliva das abelhas. Ela tem como principal função, proteger a colmeia, evitando a entrada de fungos e bactérias.
A própolis é muito utilizada como medicamento popular, para o tratamento de várias enfermidades. Sua principal função é o fortalecimento do sistema imunológico. Diversos estudos comprovam as inúmeras propriedades biológicas e terapêuticas da própolis, como:
Cura de várias infecções como a estomatite, amigdalite, gengivite e hemorroidas;
O fortalecimento da ação imunológica, estimulando organismo enfraquecido e reduzindo os efeitos colaterais de anticancerígenos e radioterapia;
Previne e trata pneumonia crônica e bronquite infantil;
Trata queimaduras graves e efeitos sobre doenças dermatológicas e manchas na pele;
Trata doenças das vias respiratórias e urinárias;
Age como antioxidante no organismo;
Atua como estimulante natural das defesas orgânicas;
Age como bactericida e é um ótimo cicatrizante.
Enfim, ela possui diversas propriedades terapêuticas graças a presença dos flavonoides, que  são um dos princípio ativo da própolis.

A própolis é realmente um antibiótico natural. A cada dia, surgem novas descobertas sobre ela ,novas indicações para tratamento de diversos males, e ainda assim, há muito para se fazer com a própolis, para dar uma origem e uma característica biológica para esse extrato a fim de ser utilizado para tratamentos e aditivos na conservação dos alimentos no lugar daqueles que são prejudiciais à nossa saúde. 



quinta-feira, 12 de outubro de 2017

PETBIO participa da Feira do Livro de São Gabriel

A Feira do Livro de São Gabriel ocorreu de 04 a 08 de outubro de 2017, na Praça Fernando Abbott e contou com uma vasta programação das atividades culturais e exposição de entidades com município.

O grupo PET Ciências Biológicas e Programa PIBID subprojetos Ciências Biológicas, da Universidade Federal do Pampa, São Gabriel, representaram Instituição no evento durante os dias 05, 06, 07 e 08 de outubro do corrente ano (Figura 1). Foram expostos posters dos Cursos de Ciências Biológicas Licenciatura e Bacharelado e de alguns trabalhos realizados pelos dois programas no campus São Gabriel e já divulgados em eventos específicos. O atrativo principal ao estande da Universidade Federal do Pampa foram os exemplares do acervo de Zoologia e Paleontologia na Instituição (Figura 2 e 3).


Figura 1. Estande da Unipampa na Feira do Livro. 


Figura 2. Insetários constituindo o parte do acervo de Zoologia. 


Figura 3. Exemplares do acervo de Paleontologia do Laboratório de Paleobiologia da Unipampa.

A exposição contou com animais nativos do Rio Grande do Sul, tais como mamíferos (Figura 4), aves e répteis taxidermizados, anuros (sapos, rãs e pererecas) e serpentes, bem como insetários e aranhas de interesse médico. Adicionalmente, alguns exemplares de insetos vivos foram utilizados para sensibilizar a população para a importância da preservação dos mesmos.


Figura 4. Ouriço taxidermizado nativo do Rio Grande do Sul.

Essa exposição foi realizada com o objetivo de compartilhar com a população gabrielense um pouco do conhecimento produzido na Universidade e adquirido pelos Petianos e Pibidianos. Dessa forma, a comunidade pode sentir a Universidade mais próxima, tirando dúvidas cotidianas em relação aos animais e fósseis, bem como alimentando um pouco mais a curiosidade dos adultos e principalmente das crianças.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

No dia 16 de agosto de 2017, o PET Ciências Biológicas promoveu mais uma Roda de Chimarrão, desta vez sobre a autoavaliação dos Cursos de Ciências Biológicas Licenciatura e Bacharelado nos anos de 2015 e 2016.
O evento contou com a presença de professores e alunos com o intuito de discutir as mudanças nos cursos de ciências biológicas, entre os anos de 2015 e 2016. Na ocasião, os acadêmicos presentes puderam expor suas opiniões, esclarecer suas dúvidas e sugerir melhorias sobre diversos aspectos avaliados (Coordenação de Curso e Professores, Estrutura Curricular, Secretaria Acadêmica e Estrutura Física). Fatores estes que influenciam nossa na vida acadêmica e devem ser discutidos em conjunto para resultarem em melhorias para os cursos de Ciências Biológicas da Unipampa.
Entre os assuntos discutidos na roda os mais relevantes foram em relação à coordenação acadêmica do curso de bacharelado e licenciatura, abordagem de outros métodos de divulgação para eventos, espaço físico da biblioteca, equipamentos dos laboratórios, principalmente os microscópios, o acesso a recursos de informática, também foi discutida a inviabilidade do uso de periódicos impressos atualmente. Outros dois assuntos foram discutidos, um pouco mais a fundo, sendo estes a baixa adesão de discentes e docentes em eventos e muitas dúvidas em relação aos estágios, estas dúvidas foram sanadas, assim como foram sugeridas maneiras de informar melhor os alunos para a realização do estágio.

terça-feira, 27 de junho de 2017

PRIMEIRA FEIRA DE CIÊNCIAS NATURAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL



A feira de ciências naturais da Universidade Federal do Pampa, que foi realizada no dia 23 de junho de 2017 (sexta-feira), na praça Fernando Abbott, teve como principal objetivo a divulgação das áreas de pesquisas que ocorrem dentro da universidade, bem como a conscientização ambiental e o conhecimento da fauna e flora pampiana para a comunidade gabrielense ( escolas da cidade e público em geral).
Diversas escolas do município estavam presentes para prestigiar este evento, explorando um pouco mais do amplo universo de conhecimento que Unipampa pode lhes oferecer. O interesse dos alunos e do público em geral foi um fator marcante na feira, nos mostrando que quando incentivamos a criatividade e evidenciamos tudo que o mundo científico pode oferecer, esses alunos passam a descobrir do que eles gostam e quais são os seus potenciais, e o melhor, na própria cidade da qual eles residem.
Na feira foram abordados diferentes temas, desde a paleontologia sobre o passado pampiano até as mais modernas áreas da bioquímica dos organismos vivos.
Segue abaixo, uma breve descrição de cada tema abordado na primeira feira de ciências naturais da Universidade Federal do Pampa.

Paleo: o passado do Pampa


A paleontologia é a ciência que estuda os seres antigos, como por exemplo, os famosos dinossauros. Mas a paleontologia não se limita só aos dinossauros, existe uma diversidade de fósseis de animais e plantas. O Rio Grande do Sul possui afloramentos que revelam o passado de vários animais que já pisaram por aqui. É importante conhecer o rico acervo paleontológico gaúcho e entender um pouco do passado das terras gaúchas.




Formas de arte com animais

A tenda de arte com animais promove uma forma diferenciada de trabalhar com zoologia no ambiente escolar, através de animais encontrados mortos, ou até mesmo, através de seus vestígios, como as pegadas. Para isso, serão produzidas obras de arte que podem ser expostas numa mostra artística e além do estudo de zoologia, fundamentam a conscientização ambiental.


A barata é um barato!

Apesar de ser um inseto, a barata tem muito mais em comum com a gente do que imaginamos. Por exemplo, as substâncias responsáveis pela comunicação do cérebro com o corpo são muito parecidas. Por isso, as baratas podem ser utilizadas em experimentos de laboratórios para a descoberta de novos tratamentos médicos. Elas ainda podem ser usada no desenvolvimento de novos inseticidas para uso na agricultura, por exemplo. Outro benefício da se usar a barata em experimentos é que ela não sente dor, seu ciclo de vida é curto, gera muitos filhotes e devido ao seu tamanho pequeno não ocupa muito espaço. Esse é o barato da barata!



A importância dos polinizadores

As plantas são organismos vivos que não se locomovem e por isso nem sempre sua reprodução é fácil. Para ajudar na reprodução, diversos animais e fatores ambientais atuam como agentes polinizadores. O que são polinizadores? Polinizadores são animais responsáveis pela transferência de pólen da antera de uma flor masculina para o estigma de uma flor feminina. Os polinizadores geralmente são insetos, como as abelhas e borboletas, mas as aves, como o beija-flor e os morcegos também podem realizar polinização. Como ocorre? Ao se alimentar do néctar esses animais entram em contato com o pólen presente nas anteras, o pólen fica grudado no corpo do animal, que em seguida vai para outra flor em busca de mais alimento, deixando o pólen na estrutura feminina, o estigma, favorecendo a fecundação.



Insetos vivem na água? A vida dos insetos aquáticos

Insetos aquáticos são aqueles que possuem ao menos uma fase de seu desenvolvimento na água. Libélulas, besouros, baratas d’água, mosquitos, etc. são alguns exemplos de insetos aquáticos. Mas como insetos podem viver na água? Viver na água requer certas adaptações, respiratórias e locomotoras, como um sistema respiratório modificado para melhor captação de oxigênio e pernas especializadas para nadar. Veja aqui um pouco mais sobre os insetos aquáticos. 



Artrópodes de importância médica

Dentre os artrópodes, há alguns que podem causar acidentes em humanos, devido à ação do seu veneno. Assim, as aranhas, escorpiões, lacraias, vespas, abelhas e taturanas representam algumas espécies potencialmente acidentais. Nesta tenda são apresentadas algumas das espécies de interesse médico, bem como informações sobre a ação do veneno, formas de evitar os acidentes e tratamento.



Diversidade antártica

O Núcleo de Estudos da Vegetação Antártica é um grupo de pesquisa que visa desenvolver atividades com Algas; Fungos, Musgos e Plantas envolvendo aspectos moleculares, ecológicos e taxonômicos. As pesquisas possibilitam reunir dados acerca da complexidade da diversidade biológica terrestre e associar esta com as mudanças ambientais na Antártica e no Rio Grande do Sul.



Plantas suas formas e importância

As plantas são importantes para inúmeros seres vivos, tanto para alimentação como para abrigo; ou ainda como filtro do ambiente, fornecendo ar puro. As plantas apresentam diferentes estruturas, como: as folhas, que podem ser inteiras, estreitas e compridas, arredondadas, com formato de coração ou recortadas; espinhos como o limoeiro ou acúleo como a roseira; podem ter pêlos ou não, algumas tem um cheiro agradável (aromáticas) outras podem ter um cheiro desagradável ou ser inodoras. Algumas apresentam látex, que é um líquido esbranquiçado e grudento, geralmente tóxico; deste látex pode ser feita a borracha. O tronco das árvores pode ser desde liso e fino até grosso com casca áspera; algumas possuem flores vistosas e coloridas enquanto outras não apresentam flores chamativas.



Penas e Pelos do Pampa: Conhecendo a Fauna Gaúcha

Você sabe o que são aves e mamíferos? Aves são animais com bico córneo, corpo coberto por penas e bípedes. Mamíferos são animais onde as fêmeas possuem glândulas mamárias e produzem leite para seus filhotes, possuem corpo coberto por pelos, exceto baleias e golfinhos. Aves e mamíferos são muito importantes para o equilíbrio do meio ambiente, eles podem ajudar a controlar pragas, como corujas que se alimentam de ratos; podem espalhar sementes de árvores e algumas aves como os beija-flores podem ajudar na polinização melhorando a produção de flores e frutas.



O grande pequeno mundo dos insetos

Os insetos, animais do filo dos artrópodes, constituem o grupo de animais com maior número de espécies existentes. Estima-se que existam de 5 a 10 milhões de espécies diferentes em todo o mundo. Alguns representantes são muitos conhecidos, tais como os besouros, borboletas, mosquitos, abelhas, vespas, moscas, entre outros.  Podem ser encontrados em quase todos os ecossistemas do planeta, desde terrestres, fossoriais, a aquáticos de água doce ou salgada – sendo esse pouco diverso. Os insetos atuam de diversas formas no meio natural, desde polinizadores, recicladores de energia, predadores e presar, vetores de doenças e também alimento. A ciência que se dedica a estudar os insetos é conhecida como Entomologia. Veja aqui mais detalhes do mundo dos insetos.



Saltos e rastejos pampianos: conhecendo nossa Herpetofauna

Nesta tenda, apresentamos os anfíbios e as serpentes, mostrando exemplares que ocorrem em São Gabriel. Anfíbios podem ser diferenciados em sapo, rã e perereca de acordo com características do seu corpo. Alguns são venenosos, porém seu veneno é usado apenas para defesa contra predadores, não fazendo mal a humanos. Também serão apresentadas as espécies de serpentes peçonhentas, os tipos de dentes das serpentes, os acidentes que elas causam e sintomas em humanos.



Metamorfose da Mosca da fruta e sua importância como organismo modelo.

O ciclo de vida da Drosophila depende das condições ambientais, no entanto, o tempo médio de vida das fêmeas é de 26 dias e de 33 dias para os machos. Deste modo, o ciclo divide-se em: ovo, larva, pupa e estado adulto.

Peixe-zebra e a importância da conservação ambiental

“Agrotóxicos são produtos químicos utilizados na agricultura que eliminam algum tipo de praga. Apesar de serem eficazes no combate a infestações, eles trazem sérias consequências ao meio ambiente, pois o seu uso é uma das principais causas da degradação ambiental. Essas substâncias contaminam o solo, rios, lagos e o lençol freático e, conseqüentemente os animais que habitam esses ambientes. O peixe-zebra é um animal que é utilizado nas pesquisas para identificar a contaminação do ambiente por agrotóxicos, pois ele acumula essas toxinas no corpo causado alterações em seu comportamento.”



Na feira tivemos também, a importante presença e colaboração do intérprete de libras Ronei Pinto da Silva, que acompanhou àqueles que possuíam deficiência auditiva, uma belíssima forma de integralização e acessibilidade de todos à ciência. 



 Mais imagens deste evento.













O grupo PET biologia, agradece a presença e colaboração de todos !

“A vida sem ciência é uma espécie de morte”.
Sócrates